27 de nov de 2013

A cada dia o PT emperra minha glote ...

 photo _amensalao2.jpg
Carta à Dilma contra a exploração de gás de Xisto Brasília, 25 de novembro de 2013 

Carta aberta à Excelentíssima Senhora Presidenta Dilma Vana Rousseff

Excelentíssima Senhora Presidenta

As organizações técnicas e profissionais que subscrevem essa carta solicitam que seja imediatamente retirado do Edital da 12ª. Rodada de Licitações da Agência Nacional do Petróleo (ANP), a exploração e a explotação de gás de xisto.

A tecnologia atualmente utilizada para a explotação - a fratura hidráulica - tem sido proibida em diversos países onde foram considerados patentes e indiscutíveis os riscos de danos às águas subterrâneas e superficiais. No Brasil, a explotação de gás de xisto, prevista no referido edital, acarretará sérios riscos de contaminação dos aquíferos e pode comprometer os usos humanos nas bacias do rio São Francisco, no Recôncavo Baiano e regiões costeiras de Alagoas e Sergipe, e em regiões do Paraná, Parecis, Paranaíba e Acre-Madre de Dios.

Ademais, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência e pela Academia Brasileira de Ciências encaminhou carta à Presidenta, em 5 de agosto último, na qual destaca graves fragilidades técnicas no processo em andamento, tais como:

I. a carência de conhecimento sobre as características petrográficas, estruturais e geomecânicas das rochas consideradas para o cálculo das reservas, o que poderá influir decisivamente na economicidade da explotação;

II. o desconhecimento dos impactos negativos da técnica de fratura hidráulica, com a injeção de água e substâncias químicas no subsolo, podendo ocasionar vazamentos e contaminação de aquíferos de água doce fundamentais para o abastecimento de boa parte das cidades brasileiras;

III. os grandes volumes de água necessários ao processo de extração, e que retornam à superfície, poluídos por hidrocarbonetos e por outros compostos e metais presentes na rocha e pelos próprios aditivos químicos utilizados, exigem caríssimas técnicas de purificação e de descarte dos resíduos finais, podendo comprometer as águas superficiais necessárias ao abastecimento humano e outros importantes usos econômicos;

IV. o potencial risco de contaminação das águas do Aquífero Guarani, a maior fonte de água doce de ótima qualidade da América do Sul, que deve ser gerenciada de forma compartilhada pelo Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai.

Tais riscos avultam já que, preliminarmente ao citado leilão, não foram realizadas as seguintes ações:

I. a definição de regras, limites e requisitos mínimos para a atividade de exploração, desenvolvimento e produção de reservatórios de gás não convencional no Brasil, por meio da técnica de fraturamento hidráulico, por parte de Resolução específica da ANP;

II. a elaboração das Avaliações Ambientais de Área Sedimentar, instrumento que deve preceder a contratação de atividades de exploração e explotação de petróleo e gás natural; nos termos da Portaria Interministerial MMA/MME Nº198, de 5/04/2012;

III. a compatibilização nos Planos de Recursos Hídricos das Bacias Hidrográficas entre o uso da água para a referida explotação com os demais usos, conforme estabelece Política Nacional para as nossas águas (Lei 9.433, de 08/01/97).

É indispensável, preliminarmente, conhecer, avaliar e minimizar os riscos ambientais, em especial os que se constituem em séria ameaça à qualidade das nossas águas subterrâneas e superficiais e que podem colocar em risco o abastecimento de água de populações urbanas e rurais e a disponibilidade de água para as atividades agropecuárias.

Assim, além da retirada da exploração e da explotação de gás de xisto do Edital da 12ª Rodada de Licitações da ANP, as entidades subscritoras sugerem à Presidenta da República que determine ao Ministério de Minas e Energia, ao Conselho Nacional de Políticas Energéticas, à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, ao Ministério da Ciência e Tecnologia e suas instituições de ciência e tecnologia, ao Ministério do Meio Ambiente, à Agência Nacional de Águas, que promovam a realização de programa de estudos que ofereça melhor conhecimento, tanto sobre as propriedades das jazidas e das condições de sua exploração, quanto dos impactos ambientais associados.

Atenciosamente,
. Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES) Dante Ragazzi Pauli, Presidente Nacional 
. Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento (ASSEMAE) Silvio Marques, Presidente Nacional 
. Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento (AESBE) José Carlos Barbosa, Diretor Presidente 
. Associação Brasileira das Concessionárias Privadas de Serviços Públicos de Água e Esgoto (ABCON) Paulo Roberto de Oliveira, Presidente 
. Associação de Servidores da Agência Nacional de Águas (ASAGUAS) Helvécio Mafra, Presidente 
. Associação dos Engenheiros da Petrobras (AEPET) Sílvio Sinedino, Presidente 
. Clube de Engenharia - Francis Bogossian, Presidente . Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF) Anivaldo de Miranda Pinto, Presidente 
. Federação Nacional dos Urbanitários (FNU) Franklin Moreira Gonçalves, Presidente 
. Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (FISENGE) Carlos Roberto Bittencourt, Presidente 
. Federação Única dos Petroleiros (FUP) João Antônio de Morais, Coordenador Geral . Fórum Nacional de Comitês de Bacias Hidrográficas - Affonso Henrique de Albuquerque Junior, Coordenador Geral 
. Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) Gilberto Carlos Cervinski, membro da Coordenação Nacional 
. Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo - Itamar Sanchez, Coordenador


Jorge Serrão informa: 

Já era aposentado 
• Todo mundo ficou bestificado de saber, apenas agora, que José Genoíno Neto já era um aposentado bem remunerado na Câmara dos Deputados. 
• A leitura da página 43 do Boletim da Câmara dos Deputados, número 005, de 8 de Janeiro de 2013, com Atos do Diretor do Departamento de Pessoal, revela o inusitado: “Ante a delegação de competência estabelecida pela Portaria nº 01, de 2003, do Senhor Diretor de Recursos Humanos, em seu art. 1º, inciso VI, e, à vista das informações e com base no inciso I do artigo 45 da Lei nº 7.087/82, AUTORIZO a suspensão do pagamento da aposentadoria do Deputado JOSÉ GENOÍNO NETO a partir de 03/01/2013, data em que assumiu o mandato de Deputado Federal, na qualidade de suplente, restabelecendo-se o pagamento do benefício tão logo o interessado se afaste do mandato. Em 07/01/2013 – EMERSON BRITO DE MELO, Diretor em exercício. Confira o original em: Aqui


Ooo0ooo 

Risco da Farsa da Invalidez 
• A petralhada agora está com um pé atrás na tática de aposentar, por invalidez, José Genoíno (que já era aposentado da Câmara e ninguém sabia). 
• Se for inválido, José Genoíno não poderá trabalhar. 
• Portanto, seus advogados não poderão pedir que ele cumpra o regime semi-aberto do mesmo jeitinho (bem remunerado, por exemplo) que o companheiro José Dirceu... 

Farsa da Farsa da Farsa 

• Sem autorização do STF, uma outra junta médica da Câmara examinou ontem o deputado licenciado José Genoino para avaliar seu pedido de aposentadoria por invalidez. 
• O parecer da junta médica deve sair até quinta-feira, antes da reunião da Mesa Diretora da Câmara que decidirá sobre abertura de processo de cassação contra o condenado no Mensalão. 
• Na verdade, Genoíno já é aposentado da casa, mas deseja o título de inválido para ter direito a uma gratificaçãozinha de 100 por cento sobre o provento de deputado aposentado, ou seja, duas vezes R$ 26,7 mil... 

ooo0ooo 

Genoino pobretão é farsa: deputado ganha bem 

1. O estado de saúde de José Genoino (PT-SP) não é a única farsa na história do mensalão. Ele faz pose de coitadinho, divulga que mora na mesma casa financiada pela Caixa há trinta anos, blá-bla-blá, mas recebe salários de marajá (R$ 26.723,13), como deputado federal há 27 anos, além da Cota mensal para Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap), de R$ 31.301. Entre janeiro e setembro, embolsou R$ 522 mil. (Cláudio Humberto) 

Ooo0ooo 

A luz que se apaga e a escuridão que se aproxima 
1. Confirmam amigos chegados ao presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa: ele pedirá aposentadoria antes de ser sucedido, em abril do próximo ano, pelo ministro Ricardo Lewandowski, na direção maior do Poder Judiciário. Motivo: o desmonte do mensalão, que começará logo depois da mudança na presidência da mais alta corte nacional de Justiça. Como? Através de manobra já engendrada pelo PT e pelos advogados dos mensaleiros, com a aquiescência de Lewadowski, que permitirá a revisão dos processos onde foram condenados 25 implicados num dos maiores escândalos da história da República. Estaria tudo coordenado, apenas aguardando a mudança da guarda. Apesar de a revisão de processos constituir-se em exceção na vida dos tribunais, pois acontece apenas com o surgimento de fatos novos no histórico das condenações, já estariam em fase de elaboração os recursos de quase todos os hoje condenados, a cargo de advogados regiamente remunerados, junto com outros ideologicamente afinados com o poder reinante. Nada aconteceria à margem de discussões e entreveros jurídicos, mas a conspiração atinge a composição atual do Supremo Tribunal Federal. E a futura, também. O término do mandato de Joaquim Barbosa na presidência da Corte Suprema marcaria a abertura das comportas para a libertação dos criminosos postos atrás das grades e daqueles que se encaminham para lá. 
2. Joaquim Barbosa não estaria disposto a assistir tamanha reviravolta, muito menos a ser voto vencido diante dela. Assim, prepara seu desembarque. Pelo que se ouve, não haverá hipótese de mudar a decisão já tomada, mesmo ignorando-se se aceitará ou não transmudar-se para a política e aceitar algum convite para candidatar-se às eleições de outubro. Tem até abril para decidir, apesar das múltiplas sondagens recebidas de diversos partidos para disputar a presidência da República. 
3. A informação mostra como são efêmeros os caminhos da vida pública. Até agora vencedor inconteste na luta contra a corrupção, reconhecido nacionalmente, Joaquim Barbosa pressente a curva no caminho, não propriamente dele, mas dos mesmos de sempre, aqueles que conseguem fazer prevalecer a impunidade sempre que não se trata de punir ladrões de galinha. Afinal, alguns meses de cadeia podem machucar, mas se logo depois forem revogados através de revisões patrocinadas pelas estruturas jurídicas postas a serviço das elites, terão passado como simples pesadelos desfeitos ao amanhecer. Não faltarão vozes para transformar bandidos em heróis. A reação do ainda presidente do Supremo de aposentar-se ficará como mais um protesto da luz que se apaga contra a escuridão que se aproxima.
O imperativo categórico 
4. Enquanto esse horror não se configura, seria bom meditar sobre o sentimento ético. Pode-se ceder diante do império das circunstâncias, Mas existe entre nós, indivíduos e nações, o imperativo categórico de que falava Kant, o incondicional comando de nossa consciência para agir como se a máxima de nossa ação fosse tornar-se uma lei universal da natureza. Há que evitar o comportamento que, se adotado por todos, tornaria a vida social impossível. Embora possamos adotar a mentira, não poderemos aceitá-la como alternativa. Uma decisão da Justiça não é boa porque trás bons resultados, nem mesmo porque é sábia, mas porque é feita em obediência ao senso do dever e em consonância com o imperativo categórico. Ética não é a doutrina de nos fazer felizes, mas de tornar-nos dignos da felicidade. Qualquer ladrão poderá triunfar se conseguir roubar o bastante? (Carlos Chagas) 

Cabine Cornofonica em SP 
1. Cabine faz sucesso em bar paulista. 
2. Ela tem opções que simulam barulho de trânsito, aviões, tiros e até gemidos. 
3. Foi criada para salvar clientes que não querem revelar que estão em um bar.

 photo _acabine1.jpg
4. Cabine instalada em bar simula sons para despistar o real paradeiro dos clientes. Tarde da noite. Preocupada, a mulher liga para saber o paradeiro do marido. Ele atende o telefone e, ao fundo, barulho de carros, buzina, avião, tiroteio e até gemidos. Na verdade, o homem está em um bar, mas corre para a cabine cornofônica, onde pode falar tranquilamente e acionar os ruídos para disfarçar e tentar enganar a esposa ou namorada. A cabine, também usada pelas clientes, foi montada em um estabelecimento nos Jardins, área nobre de São Paulo, e vem atraindo curiosos. 
5. A ideia foi do proprietário do Boteco Brasil, Leopoldo Buosanti Neto, de 40 anos. Eu via o pessoal saindo desesperado até a rua para atender o celular porque não queria que a mulher descobrisse que ele estava em um bar, explicou. 
6. O empresário jura que a invenção tem feito sucesso até mesmo entre as mulheres. 
7. A opção que mais usam é do (barulho) trânsito.

 photo _acabine2.jpg
8. Para chamar a atenção, a cabine cornofônica é vermelha, lembra as de telefone usadas na Inglaterra e fica logo na entrada do bar, inaugurado em 1964. Para o consultor Leonardo de Andrade, 23, não tem como não enganar a companheira. A mulher acredita. Se eu não avisasse minha namorada de que estou aqui, ia dizer que estava em Cumbica, indo para Manaus. Ela ia ficar maluca, brincou ele. 
9. Para isso, Andrade apertaria o botão aeroporto, em que uma voz simula as que anunciam vôos pelo alto-falante. Eu nunca vi isso em lugar nenhum. É a cara do brasileiro. É zoeira, disse. Se escolhesse a opção chute o balde, gemidos intensos de mulher poderiam ser ouvidos. 

Andando por Paris 
• Para os que já foram, para os que sempre sonharam em ir, para os que desejam voltar, sempre.... 
• Esse vídeo é o início do filme Meia-noite em Paris de Woody Allen. Um passeio pela Cidade Luz que, mesmo na chuva, é de uma beleza ímpar.
• A música de fundo, Si tu vois ma mère, é de Sidney Bechet, um compositor de jazz, negro, nascido em New Orleans, que depois de passar por Chicago e New York se radicou em Paris. Para amantes do jazz... deslumbrante!

Nenhum comentário: