18 de jul de 2013

Tropeços nos caminhos...

 photo _aaflato_zpsaab02d37.jpg Minha Casa, Minha Vida 
Aqui 

Práticas fiscais das grandes Corporações!... 
• A questão abaixo exposta, só confirma aquilo que todo o País está cansado de saber: 
• Só pagam impostos corretamente, neste País, os pobres e os assalariados!... 
• Essa prática do indivíduo que presta serviços normais à Empresa, fantasiado de PJ (Pessoa Jurídica), é utilizada por praticamente todas as grandes Corporações brasileiras! 
• Que vivem entupidas de Consultores PJ, sempre os mesmos, por anos e mais anos! Ou de terceirizados, que são PJ, nessas Empresas Terceirizadas!... 
• Se existe algum dolo, a culpa não é desses Consultores mas, sim, da Empresa onde eles prestam serviços, que quer dar o cano nos Impostos que deveriam pagar!... 
• Veja o exemplo da Petrobrás e de suas centenas de consultores, que nos mandam e-mails, todo dia!... (Márcio Dayrell Batitucci) 

 photo _aacarlosdornelles_zps7343fd19.jpg
• Carlos Dornelles é um verbete grande no espaço de memórias do site da Globo. Ali ficamos sabendo que Dornelles, gaúcho de Cachoeira do Sul nascido em 1954, fez muitas coisas na Globo. 
• Vou transcrever um trecho para conhecermos melhor Dornelles na Globo segundo a própria Globo: 
• Esteve à frente de importantes coberturas, tais como a do comício no Vale do Anhangabaú pela campanha das Diretas Já, em 1984. (…) Também integrou a equipe mobilizada para a cobertura da doença e, em seguida, do falecimento do então presidente eleito Tancredo Neves. 
• Em abril de 1989, Dornelles foi transferido para o escritório da TV Globo em Londres, onde começou a trabalhar como correspondente. Durante os anos em que esteve na Inglaterra, realizou importantes coberturas jornalísticas sobre a crise do leste europeu. 
• Na então Tchecoslováquia, cobriu a chamada Revolução de Veludo, em novembro de 1989. No mesmo período, esteve no Irã, onde foi responsável pela cobertura da morte do aiatolá Khomeini, cujo enterro reuniu cerca de dez milhões de iranianos; e na Alemanha, onde acompanhou o primeiro ano-novo após a queda do Muro de Berlim. 
• Em outubro de 1990, recém-chegado de Londres, Carlos Dornelles foi convidado (…) para trabalhar como correspondente em Nova York. No ano seguinte, participou da equipe de cobertura da Guerra do Golfo, um dos momentos mais marcantes de sua carreira. (…) Ainda como correspondente em Nova York, realizou a cobertura da prisão e da morte do traficante colombiano Pablo Escobar, em 1991 e 1993, e esteve diversas vezes no Peru cobrindo o governo e a queda do ex-presidente Alberto Fujimori. 
• Ao longo de sua carreira, também participou de importantes coberturas esportivas, como a da Copa do Mundo de 1990, na Itália; a de 1994, nos Estados Unidos, em que o Brasil conquistou o tetracampeonato; e a de 1998, na França. Fez parte, ainda, da equipe que cobriu as Olimpíadas de Seul, na Coreia do Sul, em 1988, e de Sidney, na Austrália, em 2000. 
• Bem, tanta coisa não foi suficiente para impedir que Dornelles fosse colocado na geladeira, algum tempo depois de manifestar publicamente seu incômodo com a forma como a Globo vinha cobrindo política. Antes de afinal pedir demissão, passou pelo exílio jornalístico siberiano do Globo Rural, encostado e visto por agricultores nos domingos pela manhã. 
• Tanta coisa, também, não foi suficiente para que Dornelles, a partir de um determinado momento na Globo, desfrutasse dos direitos trabalhistas nacionais. Dornelles foi instado a se tornar, como tantos outros funcionários graduados da Globo, o chamado PJ - pessoa jurídica. É uma manobra comum entre as empresas jornalísticas, com raras e caras exceções como a Abril.
• Usar PJs é uma gambiarra de discutível legalidade e indiscutível imoralidade. O objetivo é simplesmente não pagar o imposto devido. A empresa simula que o funcionário presta serviços eventuais, e com isso economiza consideravelmente. Dornelles era um PJ ao deixar a Globo, embora isso não esteja em seu verbete. 
• Para os cofres públicos, a proliferação de PJs é uma calamidade. Falta dinheiro que poderia construir escolas, ou pontes, ou hospitais. Para o empregado, é nocivo. Fundo de garantia, 13.o salário, férias etc simplesmente desaparecem. É bom apenas para os acionistas. 
• O que leva uma empresa como a Globo a isso? Falta de dinheiro? Ora, a Globo - por causa de outro expediente de duvidosa ética, os chamados BVs, algo que mantém as agências de publicidade numa virtual dependência da empresa – fica, sozinha, com praticamente metade de toda a receita publicitária brasileira. (Os BVs - bonificações por volume - explicam em boa parte o milagre de a receita publicitária da Globo aumentar no ano em que teve a pior audiência de sua história. De Xuxa a Faustão, do Jornal Nacional ao Fantástico, o Ibope marcha soberbamente para trás.) 
• Isso, para resumir, significa o seguinte: a Globo teria que ser administrativamente muito inepta para não ser muito lucrativa com tanto faturamento. Por que, então, tornar PJs funcionários como Carlos Dornelles, se não é por sobrevivência? 
• A melhor resposta é: por ganância, associada a um sentimento de impunidade comum em quem tem muito poder de retaliação e intimidação. E esperteza: fazendo este tipo de coisa, a empresa ganha vantagem competitiva sobre as rivais seus custos diminuem. A Abril, que não tem PJs, já foi maior que a Globo. Hoje é algumas vezes menor. 
• O risco para a empresa é que, em algum momento, em geral na saída, o PJ a processe. Foi o que Dornelles fez. Ele reivindica mais de 1 milhão de reais da Globo na Justiça. Empresas jornalísticas deveriam ter um comportamento exemplar nas práticas administrativas, dado o seu papel fiscalizador. Você não pode cobrar retidão de governos e políticos se faz curvas. Isso se chama cinismo. Há que ter muita desfaçatez para dar lições de moral quando você agride o interesse público ao recolher menos imposto do que deveria. 
• Em vários países, as autoridades estão trazendo à luz aberrações fiscais para que a sociedade se inteire de algo que é crítico para seu bom funcionamento. Na Inglaterra, vieram à luz os impostos pífios pagos por colossos como Google, Amazon e Starbucks com o propósito de embaraçar as empresas e forçá-las a pagar sua taxa justa. O caso Dornelles é uma lembrança oportuna de que o governo brasileiro deveria jogar luzes – o mais eficiente desinfetante - nas práticas fiscais de empresas como a Globo com seus PJs de araque. 
A visita do Papa

A Lei somente para alguns!...
• Revoltante! 
• Essa é uma das realidades do Brasil de hoje! O Brasil das cotas, dos privilégios de alguns, das Leis que só se aplicam a alguns! Enfim, uma realidade do racismo institucionalizado pelo PT apóstata, sob suas várias formas! 
• Criminosos? Existem de todos os lados, dos dominantes e dos dominados, inclusive nas chamadas minorias
• E para criminosos, deveria ser aplicada a Lei! 
• Após tortura, índios gravam sofrimento de agricultor. 
• O vídeo tem como objetivo mostrar a verdade sobre o meio rural que muitos não conhecem. 
• Índios cometem crimes e são protegidos pelo Governo, pela FUNAI e por ONGs. 
• Eu como cidadão brasileiro quero que os índios sejam responsabilizados pelos seus atos assim como todo cidadão desta pátria. 
• Índios não tem apenas direitos, tem que ter deveres também. Muitos índios são donos de terras, são vereadores, tem carros e se acham no direito de cometer delitos. 
Acorda Brasil ! 
• Minha postagem tem como objetivo a punição dos culpados e levar a informação do campo ao povo brasileiro. Todos devem saber o que está acontecendo no interior do país.


• Parece não ter fim a maré baixa do empresário, que vê o derretimento das ações do grupo EBX, sofre crise de credibilidade no mercado e está à beira do calote; agora, o investidor Rafael Ferri acusa Eike Batista de 'insider trading': ele pode ter vendido mais de 100 milhões de ações da OGX dias antes de a empresa anunciar que não poderia mais extrair óleo de seus poços; CVM, que já apura supostas falhas de comunicação da petroleira, abriu novo processo na quarta-feira; BNDES busca investidores para projetos do bilionário.


Com Rio em guerra, Cabral culpa opositores 
 photo _aamanifestaccedilaocabral_zpsca94f5e2.jpg
• Manifestação iniciada em frente ao apartamento do governador terminou em confronto com o Batalhão de Choque da Polícia Militar (PM). A confusão começou por volta das 23h, quando um grupo de jovens mascarados começou a depredar lojas e portas de agências bancárias na Rua Ataulfo de Paiva. Parte dos manifestantes também apedrejou um prédio administrativo da Rede Globo. Coquetéis molotov foram lançados e a porta foi arrombada. Sérgio Cabral (PMDB) acusou seus adversários políticos de serem os responsáveis pelos protestos na sua vizinhança. Segundo ele, há uma tentativa de seus opositores de antecipar o calendário eleitoral. 
• Após protesto com 15 detidos no Rio, Cabral convoca reunião de emergência com cúpula da polícia. 
• O evento, convocado pelo Facebook, reuniu mais de 10.000 confirmações de presença. Entre as reivindicações, estão a criação de CPIs para apurar gastos com a Copa do Mundo e o uso de helicópteros pela família Cabral, além da desmilitarização da Polícia Militar, do fim da privatização do Maracanã e do pedido de renúncia de Cabral e seu vice, Luiz Fernando Pezão. 

Parte 1 
• Presidente do STF acolhe pedido da Associação Nacional de Procuradores Federais e suspende instalação de cortes em Curitiba, BH, Salvador e Manaus. Procuradores alegam que, em seu artigo 96, a Constituição Federal estabelece que projetos de lei, ou de emendas constitucionais, que tratam da criação ou extinção de tribunais, bem como da administração da Justiça, devem ser propostas ao Congresso pelo Supremo ou por tribunais superiores. A proposta foi iniciativa do próprio Legislativo e alvo de críticas anteriores de Barbosa, que qualificava a aprovação como sorrateira

Parte 2 
• Vice-presidente da Câmara dos Deputados, o deputado André Vargas (PT-PR), que promulgou a PEC que criou quatro novos tribunais regionais federais, reage com indignação à liminar concedida pelo presidente do STF, Joaquim Barbosa, sustando a decisão do Congresso Nacional; ele se aproveitou do recesso para dar uma liminar que mostra seu desapreço pelo parlamento e pela democracia; guerra entre poderes ganha novo capítulo.

Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém... Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim... E ter paciência para que a vida faça o resto... (William Shakespeare)

Um comentário:

Anônimo disse...

Gostei da forma que foi mostrada a verdade sobre empresas golpistas.
Linguagem simples com objetividade.
Fatos deprimentes que mostram o conflito legal entre indivíduos devem
ser sim divulgados para que haja uma solução pela parte judiciária.
Se todos tem o mesmo direito então todos tem que ser regidos pelos mesmos atos.