22 de jun de 2013

Depois de tudo... baboseiras...

 photo _aasalvar_zpsa740b1d9.jpg Me engana que eu gosto!...
O PT apóstata, o governo e os atuais donos do Poder, estão em pânico!
• O pronunciamento da Presidanta Dilma, ontem à noite, se constituiu como um ridículo teatro, onde se falou muito e, na realidade, não se concretizou qualquer medida
efetiva de correção dos erros que têm sido cometidos, à exaustão!
• O que mais me impressionou foi a cretinice de se pregar uma coisa, e se praticar outra! Essa turma acha que nós, brasileiros, somos débeis mentais! 
• Por várias vezes, a presidanta se reportou à necessidade de controle da população sobre os gastos públicos, sobre a necessidade de se levar a sério (Estados e Municípios!) a Lei de Acesso à Informação, como um Instrumento de combate à corrupção e de acompanhamento das prioridades dos Governos, etc., etc... 
• E aí vem a pergunta óbvia: mas, então Sra. Presidanta: essas recomendações só valem para os outros
• Porque a senhora, há poucos dias, decretou sigilo absoluto sobre todas as informações de gastos de suas viagens ao exterior? Como questões de Estado? 
• Alguém sabe me dizer se os Cartões Corporativos do Sr. Lulla da Silva, da Sra. oficial D. Marise e da Sra. genérica D. Rose, foram desativados? Com tanto segredo que cerca esse misterioso nicho, tenho minhas dúvidas!... 
• Ao invés de ficar fazendo discursos ocos e sem qualquer consequência prática, por que a presidanta, com seu poder de caneta, não começa a mudar tantos e tantos absurdos que proliferaram nesses últimos dez anos, a cada dia, por esse Brasil, como, p. ex., os 39 Ministérios para seus apaniguados? E tantas outras coisas? 
• Me engana que eu gosto! 
• Não há de ser com falações desse tipo que os atuais donos do Poder vão se safar de sua debacle!
• Ainda bem!... (MDB) 

Dilma não traz novidades, faz ameaça e comete erros de informação 
O pronunciamento da presidente Dilma Rousseff nesta noite de sexta-feira (21-jun-2013) não trouxe nenhuma novidade a respeito do posicionamento do governo federal sobre as manifestações de rua. O mais notável foi seu tom de ameaça em vários trechos quando falou que o governo não vai transigir com atos de violência. 
• Mas o que fez o governo até agora? Há quase duas semanas que as principais cidades do país têm ficado paralisadas no final da tarde. 
• Como o Brasil é um país conservador, talvez o pronunciamento da presidente possa ter algum efeito tranquilizador em parte da população. Foi uma gravação realizada da forma mais conservadora possível. Em frente a um fundo de madeira, ela usando um blaser de tom amarelo acabou lendo no teleprompter por 9 minutos e 43 segundos. É uma fala muito longa sob qualquer métrica possível. Mas Dilma não tinha saída. 
• Como a presidente raramente dá entrevistas formais para mídia (exceto para falar de novelas ou faits divers), quando fala é necessário ficar descrevendo uma lista sem fim do que considera útil dizer para a população - mesmo que o governo já gaste mais de R$ 1 bilhão por ano em propaganda. 
• Em certa medida, o pronunciamento de Dilma tenta recuperar o tempo perdido por ela nos últimos dois anos e meio. Sobretudo quando chegou a dizer que vai se esforçar agora para incentivar uma ampla reforma política. Essa expressão reforma política chega a provocar ataques de narcolepsia em quem acompanha o mundo do poder aqui em Brasília. Basta haver um problema de qualquer ordem no país que o presidente de turno fala sobre a necessidade de uma… reforma política. Passa a crise ou arrefecem os seus efeitos, a reforma política nunca sai. 
• Por que Dilma nunca falou sobre a necessidade de uma reforma política antes? Foi pega de surpresa agora? 
• Em outro trecho do pronunciamento, a presidente faz uma confusão com algo que ela própria patrocinou. Diz que a Lei de Acesso à Informação deve ser ampliada para todos os poderes da República e instâncias federativas. Como assim, ampliada? A lei já vale para todos os Poderes e para governos estaduais, prefeituras e União. 
• Talvez até de maneira inadvertida, Dilma acabou passando um pito em cadeia nacional de TV em prefeitos e governadores - que, de fato, cumprem de maneira precária a Lei de Acesso. E o que dizer da própria presidente, que acaba de decretar sigilo sobre todas as informações de gastos de suas viagens ao exterior? Como ela própria disse a melhor forma de combater a corrupção é com transparência e rigor. Pois é. 
• Em resumo, quem redigiu e copidescou o pronunciamento não estava muito familiarizado com o governo de Dilma Rousseff. E a própria presidente não fez a revisão necessária daquilo que leu no teleprompter. É desagradável quando ocorrem tantos descuidos em um texto para o qual a petista e sua equipe de marketing tiveram dois dias para produzir. 
• Sobre a Copa do Mundo e seus gastos, Dilma usou outra verdade pela metade para tentar conter a irritação dos indignados que foram à rua protestar. A presidente afirmou que todos os gastos para construir estádios e outras obras são empréstimos que serão pagos pelas empresas e Estados que receberam esse dinheiro. Não é bem assim. Tem muito dinheiro público, do BNDES, com juros que são subsidiados por todos os brasileiros. 
• Mesmo que as empresas e Estados paguem esses empréstimos (se é que vão pagar), terão recebido um grande benefício por causa dos juros camaradas. E mais: a maioria dos recursos foi para governos estaduais. Ou seja, se esses governos pagarem, ainda assim terá sido usado dinheiro público - portanto a presidente tergiversou ao dizer que não usaria fundos estatais. Já usou
• A suntuosidade das obras da Copa é um dos poucos pontos de consenso na irritação de quem têm ido às ruas protestar. Há uma sensação forte de que tudo foi feito apenas para turistas e a elite usarem
• Dilma também anunciou que convidará governadores e prefeitos de grandes cidades para aperfeiçoar as instituições e anunciar novos planos de ação. 
• Por exemplo, o Plano Nacional de Mobilidade Urbana. Agora? A menos de um ano da Copa do Mundo? 
• E os prefeitos e governadores em Brasília? Esse tipo de reunião é tão improdutiva como a do ministério de Dilma - que com 39 integrantes precisaria de mais de um dia de reunião se todos falassem por meia hora
• Tudo considerado, não dá para dizer que Dilma cometeu o mesmo erro de Fernando Collor (que em 1992 pediu aos brasileiros que se vestissem de verde e amarelo e todos usaram preto). Ainda assim, o resultado parece ter ficado longe do que a presidente precisaria para tentar recuperar a autoridade perdida nos últimos dias. (Fernando Rodrigues)


 photo ___aaaabrasilmapa_zps8e6d053f.jpg• Pesquisa Datafolha realizada com 551 pessoas que participaram da manifestação desta quinta-feira na Avenida Paulista, em São Paulo, indica que 30% dos entrevistados votariam no presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, se a eleição presidencial de 2014 fosse hoje; na sequência, aparece a ex-senadora Marina Silva, com 22% de menções; Dilma, que na última pesquisa Datafolha de caráter nacional permanecia na liderança, mesmo com queda na popularidade, é apenas a terceira da lista entre os manifestantes, com 10%. 

CNN, o que está por traz dos protestos? 
• Se a Imprensa Brasileira teve coragem ou não, pode admitir, a CNN fala por ela. 
• A CNN, maior rede de jornalismo da TV americana e mundial, fez uma reportagem especial sobre os verdadeiros motivos por trás dos protestos ocorridos em várias cidades do Brasil. 
• Em tradução, o texto, intitulado O Que Realmente Está Por Trás dos Protestos Brasileiros?, lê: Os protestos que estão acontecendo no Brasil vão muito além do aumento de 20 centavos no transporte público
• O Brasil está vivenciando atualmente um amplo colapso de sua infraestrutura.
• Há problemas com portos, aeroportos, transporte público, saúde e educação. O Brasil não é um país pobre e os impostos são extremamente altos. 
• Os brasileiros não veem motivo para terem uma infraestrutura tão ruim quando há tanta riqueza e tantos impostos altos. 
• Nas capitais estaduais as pessoas chegam a gastar 4 horas por dia no tráfego, seja em seus carros ou em transportes públicos lotados e de má qualidade. 
• O governo brasileiro tomou medidas para controlar a inflação cortando taxas e ainda não se deu conta que o paradigma deve mudar para uma abordagem focada na infraestrutura do país. 
• Ao mesmo tempo o governo brasileiro está reproduzindo em menor escala, o que a Argentina fez anos atrás: evitando austeridade fiscal e prevenindo o aumento dos juros, o que está levando a uma alta inflação e baixo crescimento. 
• Além do problema de infraestrutura, há vários escândalos de corrupção que permanecem sem julgamento, e os casos que são julgados tendem a terminar com a absolvição dos réus. 
• O maior escândalo de corrupção na história brasileira finalmente terminou com a condenação dos réus e agora o governo está tentando reverter essa condenação ao usar manobras inacreditavelmente inconstitucionais, como a PEC 37, que vai tirar o poder investigativo dos promotores do ministério público, delegando a responsabilidade e da investigação unicamente para a polícia federal. Além disso, outra proposta tenta sujeitar as decisões da Suprema Corte Brasileira ao Congresso - uma completa violação dos três poderes. 
• Estas são, de fato, as revoltas dos brasileiros. 
• Os protestos não são meramente isolados, não são movimentos da extrema esquerda, como algumas fontes da mídia brasileira afirmam. 
• Não é uma rebelião adolescente. 
• É o levante da parte mais intelectualizada da sociedade que quer por um fim a essas questões brasileiras. A jovem classe média que sempre esteve insatisfeita com o obscurecimento político agora desperta
• Nota do leitor: espero que esse despertar seja seguido de sérias ações no sentido de dar continuidade ao que foi começado.

Nenhum comentário: