12 de ago de 2012

Só existem vencedores!

Photobucket
Photobucket

Photobucket
O réu ausente no mensalão
Acorda ministro!
• No julgamento do mensalão há um ausente no banco dos réus que teria poder de abortar o caso no seu início, mas se omitiu, não cumpriu seu papel e sistematicamente violou a lei entre 2003 e 2005. Trata-se do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), criado em 1998 com a missão específica de identificar transações bancárias suspeitas de lavagem de dinheiro. A legislação obriga os bancos a informarem ao Coaf todas as operações efetuadas em dinheiro vivo - depósitos ou saques - em valores acima de R$ 10 mil. Examinadas as transações, o órgão envia as que julgar suspeitas para o Ministério Público (MP) investigar.
• No caso do mensalão, o Coaf escondeu as informações e não as repassou ao MP. Entre julho de 2003 e maio de 2005 as empresas do principal operador do esquema, o publicitário Marcos Valério, realizaram uma centena de saques em dinheiro vivo de valores entre R$ 100 mil e R$ 400 mil, transportados em malas até Brasília e distribuídos a parlamentares que, segundo a acusação, eram indicados pelo ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares. Uma única notificação chegou ao MP de São Paulo em 2003. Depois, silêncio completo. E nenhuma ao MP de Minas Gerais, de onde saiu o grosso do dinheiro sacado por Valério na agência do Banco Rural em Belo Horizonte.
• Se desde o primeiro momento o Coaf informasse as transações suspeitas de Valério e o MP pedisse abertura de inquérito à Polícia Federal, o mensalão teria sido obstruído no nascedouro. Ou o esquema seria obrigado a buscar outros meios de financiamento. E por que o Coaf não agiu?, indagou a ex-deputada Denise Frossard em ofício dirigido ao então ministro da Fazenda, Antonio Palocci, ao qual o Coaf era subordinado. Recebeu em resposta um convite de visita do ministro da Justiça e hoje advogado de um réu no caso Márcio Thomaz Bastos. Ele prometeu à deputada que o fato não se repetiria porque o Coaf passaria por uma competente reforma. Na Fazenda a conversa com a ex-deputada foi interpretada como um recôndito desejo de Bastos de transferir o Coaf para o Ministério da Justiça. Se verdade é, não conseguiu.
• O mensalão teve vertentes, filhotes e desdobramentos que não chegaram a ser apurados. O caso Coaf é um deles. Mas se destaca dos demais pelo importante papel que exerce no aparato policial para investigar crimes de lavagem de dinheiro. Como a investigação começa justamente a partir dele, sua omissão tem o poder de encobrir crimes e criminosos. Por isso não podem pairar dúvidas sobre sua atuação. Ele deveria funcionar no modelo de uma agência reguladora, agir com independência, autonomia e distanciado de más influências do poder político. Mas a realidade é outra.
• Em 14 anos de existência, seu balanço apresenta resultados positivos, outros negativos. Ao completar dez anos, em março de 2008, o Coaf divulgou em relatório ter rastreado 686 contas bancárias de 748 pessoas ligadas à facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), que movimentaram R$ 63 milhões entre 2005 e 2007. A ação do Coaf permitiu à Justiça bloquear R$ 17,7 milhões dos criminosos. Ponto positivo.
• Só que os negativos causam um estrago institucional tão nocivo que superam os positivos e comprometem sua credibilidade. E eles têm ocorrido a partir do uso político do órgão e da influência de quem tem poder para mandar. No caso do mensalão isso ficou flagrante: após a primeira notificação sobre as empresas de Valério, o Coaf emudeceu durante dois anos. Em conversa que tivemos em 2008, o advogado Antonio Gustavo Rodrigues, presidente do Coaf desde 2004, não explicou a omissão ao longo de dois anos e tratou de negar influência política: Nunca sofri pressão política de algum superior, a não ser a interferência do chefe de gabinete do ministro (Palocci) no caso do caseiro.
• Mensalão, violação da conta bancária do caseiro Francenildo Costa, saques em dinheiro de R$ 1,75 milhão feitos por dois aloprados do PT para comprar um dossiê falso contra tucanos. Tudo isso aconteceu, mas o Coaf não viu. (Suely Caldas, jornalista e professora de comunicação da PUC-Rio)
 
A ANP não inestigou acesso a dado sigiloso
• Durante oito meses, mesmo depois de ter deixado a ANP (Agência Nacional do Petróleo) para ser consultor de uma empresa, o geólogo Paulo de Tarso Araripe continuou tendo acesso ao setor de informações sigilosas da agência.
• De março a novembro de 2007, ele entrou e saiu 900 vezes do prédio da ANP - em média, três visitas diárias. O destino era sempre o mesmo: a Superintendência de Definição de Blocos (SDB), onde são armazenadas informações que descrevem o potencial para exploração de petróleo e gás de todos os blocos petrolíferos do país.
• As visitas cessaram uma semana antes da 9ª rodada de licitação para a concessão de áreas para a exploração de petróleo, ocorrida em 27 e 28 de novembro de 2007.
• De acordo com o vice-presidente da AEPET, Fernando Siqueira, é por estas e outras que os leilões de petróleo tem que acabar. (Folha de São Paulo)
 
O jingle da Varig
  • No final dos anos 60 a VARIG inaugurava sua rota do Brasil ao Japão e para comemorar, encomendaram ao notável jinglista Archimedes Messina que, baseado na lenda, fez uma adaptação genial e acabou se transformando num enorme sucesso e até hoje é um dos jingles mais tocados no Brasil em todos os tempos.
• A gravação ficou a cargo da Target Audio e a produção sob Eduardo Barros; a voz é da cantora japonesa Rosa Miyake que naquela época fazia um sucesso enorme com o programa Imagens do Japão da Rede Record.
Sobre mensagens recebidas
• Meus amigos, quero agradecer a todos, pelas mensagens educacionais (e também as obscenas) que tenho recebido. Foram muito eficazes, principalmente os que modificaram a minha dieta que, graças a eles, hoje é a base de farinha de maracujá, linhaça, chá de alpiste, chá de folha de bambu, limão, vitamina E, mamão papaya, graviola (anona), jabuticaba, aspargo, alho, azeite, pimenta, abacate, alecrim etc...;
• Ah! mas a dieta que me dá mais prazer, incluída por imposição de meu compadre mineiro, é a do vinho tinto para prevenir cardiopatias (se tiver algum sobrando na sua adega me chame para dar o parecer. Aprecio desde um bom Alma Viva a até o Rio Sol do Vale do São Francisco!);
• E mais ... graças a esses maravilhosos textos:
• Eu não abro mais a porta do banheiro sem usar uma toalha de papel nas mãos;
• Não bebo mais refrigerante com rodelas de limão ou laranja e preocupar com as milhares de bactérias na casca;
• Eu não consigo mais usar o controle remoto em quartos de hotel porque não sei o que a última pessoa estava fazendo enquanto navegava nos canais adultos;
• Eu tenho dificuldade em apertar a mão de alguém que estava dirigindo porque o passatempo predileto de quem dirige é escarafunchar o nariz;
• Eu não consigo pegar numa bolsa de mulher, com medo que ela a tenha colocado no chão de um banheiro público;
• Eu tenho que mandar um agradecimento especial para quem me mandou uma mensagem falando do cocô de rato na cola de envelopes porque agora eu uso uma esponja úmida para cada envelope que precisa ser selado. Pela mesma razão, escovo vigorosamente cada latinha antes de abri-la;
• Eu não tenho mais economias porque dei para uma menina doente (Penny Brown) que está para morrer pela 1.387.258 vez;
• Eu não tenho mais dinheiro, mas isto vai mudar quando eu receber os 15.000 dólares que o Bill Gates/Microsoft e AOL vão me mandar por participar no programa especial de e-mail;
• Eu não me preocupo mais com minha alma porque eu tenho 363.214 anjos olhando por mim, e a novena de Santa Teresa atendeu a todos os meus desejos;
• Eu não posso mais beber um drinque num bar porque posso acordar numa banheira cheia de gelo sem meus rins;
• Eu não posso mais usar desodorantes, cancerígenos, mesmo fedendo como um búfalo num dia quente;
• Graças a tantos aprendi que minhas preces só serão atendidas se eu enviar e-mail para 7 dos meus amigos e fizer um desejo em 5 minutos;
• Graças a sua preocupação eu não bebo mais Coca-Cola porque ela é capaz de remover manchas em privadas;
• Eu não abasteço mais o carro sem ter alguém vigiando-o, para que um serial killer não entre no banco de trás enquanto eu estou abastecendo;
• Eu não bebo mais Pepsi ou Fanta porque as pessoas que produzem esses produtos são ateístas e se recusaram a colocar nas latinhas Feito por Deus;
• E obrigado por me avisar que eu não posso esquentar um copo de água no microoondas porque pode estourar na minha cara.... e me desfigurar para a vida inteira;
• Eu não vou mais ao cinema porque me disseram que eu posso ser picado por um alfinete infectado com AIDS, quando eu sentar;
• Eu não vou mais a shopping centers porque alguém pode me drogar com uma amostra de perfume e me roubar;
• Eu não recebo mais pacotes da UPS ou FedEx porque na realidade os entregadores são agentes disfarçados da Al Qaeda;
• E eu não atendo mais telefones porque alguém vai me pedir que disque um número pelo qual eu vou receber uma conta com chamadas para a Jamaica, Uganda, Singapura e Usbequistão;
• Graças a vocês eu não uso outra privada que não a minha porque uma enorme cobra preta pode estar escondida dentro do vaso sanitário e me matar, instantaneamente;
• Eu não dirijo mais meu carro porque comprando gasolina de algumas marcas, estou apoiando a Al Qaeda e se comprar das outras companhias, estou apoiando os ditadores sul-americanos e o PT;
• Eu não mexo mais no meu jardim porque tenho medo de ser picado pela aranha madeira e minha mão cair;
• Ah... E estou guardando a escova de dentes no meu quarto, por causa das bactérias do banheiro.
• E a última é que o filtro solar engorda; não sei como vou me salvar neste verão mas já estou me orientando para sobreviver;
• Se você não mandar este texto para pelo menos 144.000 pessoas nos próximos 70 minutos, uma pomba grande, com diarréia, vai pousar em sua cabeça às 17h07, amanhã, e as moscas de 120 camelos vão infestar suas costas, causando o crescimento de uma enorme corcunda cabeluda. Eu sei que isto vai ocorrer porque aconteceu com a cabelereira da melhor amiga do segundo marido da prima da sogra da minha vizinha;
• Ah, e a propósito... um pesquisador alemão, da Universidade de Ciências Médicas de Buenos Aires, descobriu, após longo estudo, que pessoas com pouca atividade cerebral leem textos/e-mails com a mão sobre o mouse....não se preocupe em tirá-la. É tarde demais!

Nenhum comentário: