12 de ago de 2011

A Casa Queimada

• Certo homem saiu em uma viagem de avião. Era um homem temente a Deus, e sabia que Deus o protegeria. Durante a viagem, quando sobrevoavam o mar um dos motores falhou e o piloto teve que fazer um pouso forçado no oceano.
• Quase todos morreram, mas o homem conseguiu agarrar-se a alguma coisa que o conservasse em cima da água.
• Ficou boiando a deriva durante muito tempo até que chegou a uma ilha não habitada.
• Ao chegar à praia, cansado, porém vivo, agradeceu a Deus por este livramento maravilhoso da morte.
• Ele conseguiu se alimentar de peixes e ervas.
• Conseguiu derrubar algumas árvores e com muito esforço conseguiu construir uma casinha para ele.
• Não era bem uma casa, mas um abrigo tosco, com paus e folhas. Porém significava proteção.
• Ele ficou todo satisfeito e mais uma vez agradeceu a Deus, porque agora podia dormir sem medo dos animais selvagens que talvez pudessem existir na ilha.
• Um dia, ele estava pescando e quando terminou, havia apanhado muitos peixes. Assim com comida abundante, estava satisfeito com o resultado da pesca.
• Porém, ao voltar - e na direção de sua casa, qual tamanha não foi sua decepção, ao ver sua casa toda incendiada.
• Ele se sentou em uma pedra chorando e dizendo em prantos: Deus! Como é que o Senhor podia deixar isto acontecer comigo? O Senhor sabe que eu preciso muito desta casa para poder me abrigar, e o Senhor deixou minha casa se queimar todinha. Deus, o Senhor não tem compaixão de mim?
• Neste mesmo momento uma mão pousou no seu ombro e ele ouviu uma voz dizendo: Vamos rapaz?
• Ele se virou para ver quem estava falando com ele, e qual não foi sua surpresa quando viu em sua frente um marinheiro todo fardado e dizendo: Vamos rapaz, nós viemos te buscar.
Mas como é possível? Como vocês souberam que eu estava aqui?
Ora, amigo! Vimos os seus sinais de fumaça pedindo socorro. O capitão ordenou que o navio parasse e me mandou vir lhe buscar naquele barco ali adiante.
Moral da história: É comum nos sentirmos desencorajados e até mesmo desesperados quando as coisas vão mal. Mas Deus age em nosso benefício, mesmo nos momentos de dor e sofrimento.
Lembrem-se: Se algum dia o seu único abrigo estiver em chamas, esse pode ser o sinal de fumaça que fará chegar até você a Graça Divina. Para cada pensamento negativo nosso, Deus tem uma resposta positiva. Divulgue, pois alguém pode estar precisando de uma reflexão.

Linha de Cascais -Sintra- Estoril- Portugal
Lula agora trabalha... para a Odebrecht
• A coincidência de 1 bilhão de reais sendo rememorada.
• Depois de baixar em Brasília para piorar a crise protagonizada por Antonio Palocci, Lula resolveu aproveitar a vida no exterior. Na segunda-feira, fez uma palestra no Panamá para executivos da Odebrecht. Na terça, repetiu o numerito nas Bahamas para convidados do bilionário mexicano Carlos Slim. Na quarta, a bordo de um avião cedido por Slim, apareceu em Cuba para a escala de um dia e meio, com todas as despesas pagas pela Odebrecht. Vistoriou ao lado do ditador Raúl Castro as obras do porto de Mariel, construído pela Odebrecht ao preço de 200 milhões de dólares bancados pelo BNDES, e foi beijar a mão de Fidel escoltado por José Dirceu, Franklin Martins e Paulo Okamoto.
• Na quinta, Lula levou a trinca para engrossar a plateia da palestra, paga pela Odebrecht, que faria na Venezuela. Foi recepcionado em Caracas por Emilio Odebrecht, presidente do Conselho Administrativo da construtora, e Marcelo Odebrecht, diretor-presidente. Não sobrou lugar para a imprensa no local do evento, reservado a empresários, investidores e diplomatas convidados pela Odebrecht.
• Com mais de um ano de atraso, o presidente Hugo Chávez ordenou, na véspera da chegada de Lula, o pagamento dos R$ 996 milhões que o governo venezuelano devia à Odebrecht, premiada com a construção do metrô de Caracas e da terceira ponte sobre o Rio Orinoco. Quase 1 bilhão de reais, parcialmente financiados pelo BNDES. Os diretores da Odebrecht garantem que foi só uma agradabilíssima coincidência. Em todo caso, no encontro com o amigo Chávez, Lula agradeceu a gentileza. Em seu nome e em nome da Odebrecht.
• Os diretores da Odebrecht pensam que somos todos tão idiotas quanto o pessoal que se submete a ouvir o palavrório de um ignorante, bem pago pela Odebrecht em troca de financiamentos.
• Usam o dinheiro da União e os imbecis que vão às palestras. (Augusto Nunes)

Eu só queria entender...
• O cara rodou o mundo vendendo a idéia do etanol. Mas está faltando álcool.
• Depois rodou o mundo vendendo o biodisel. As usinas não saíram do papel.
• E rodou o mundo, novamente, pregando a grande descoberta do pré-sal.
• Onde está esse petróleo?
• Por que silenciaram a esse respeito?
• E agora...
• Compram gasolina da Venezuela? Tem algo muito podre neste Reino da Banânia, pois:
• A gente não era autosuficiente em petróleo?
• Com o pré-sal a gente não ia virar uma Árabia Verde?
• A gente não ia entrar para a OPEP?
• E por fim, por que agora tivemos que comprar gasolina da Venezuela e continuamos a exportar gasolina para os EUA por um preço do que nós brasileiros pagamos aqui nas bombas dos postos de abastecimento da BR?
• São, por um acauso, gasolinas com octanagens diferentes? A melhor nóis ixporta e a pior nóis importa e mistura com o nosso arcóol?
• Ou explicam tudo isso ou vou concluir que nunca antes na história desse país tivemos um governo tão descaradamente mentiroso!...
Confissões
Anthony Quinn - Recordando
 • Simplesmente fenomenal, veja! Um presente, uma excelente reflexão sobre a vida e a morte, porque andam juntas... Talvez com o tempo, porque não dizer com a idade, a gente vai ficando ainda mais sensível ....
• Na primeira versão, quando Quinn aos 49 anos dá um show inesquecível e eterno, com leveza, talento, paixão........... uma explosão de sentimentos .. A vida pulsando de todos os lados e tornando mágico um momento de bela expressão artística e varonil. Realmente um show!
• Mas o que vem depois. Quinn, aos 84 anos, reproduzindo a dança que o consagrou no cinema mundial.
• Foi poesia pura o que ele fez no palco: com
graça, paixão pela vida e a vontade de retribuir ao público tudo que ele ganhou. É para se emocionar muito, pensando o quanto efêmera é a vida, pensando na transformação que sofremos ao longo dos anos, e pensando no esforço que fazemos todos para continuar nosso caminho com orgulho, dignidade e prazer. Por um instante a gente esquece de tudo.
• Em 1964, aos 49 anos, dançando Zorba. Assista
• Em 1999, aos 84 anos, dançando Zorba. Assista

Nenhum comentário: