24 de jul de 2011

Analisem

O trem-bala do Brasil e da China
• O trecho da linha chinesa custou 4,1 bilhões de USD.
• E a construção foi finalizada 1 ano antes do previsto.
• Atravessou as altas montanhas do Himalaia que se situam a 5.000 metros de altitude.
• Os trabalhadores na construção tiveram que usar máscaras de oxigênio e câmaras pressurizadas para poderem trabalhar.
• Sempre que possível a ferrovia passava em pistas elevadas para permitir a passagem dos animais em migração natural, dado que foi concebida sempre minimizando o impacto ambiental.
• Dos 1.956 km, 500 km atravessaram solos que ficam congelados no inverno e viram lama no verão.
• Imagine-se o processo de contração e expansão que ocorre em tal tipo de terreno e a tecnologia empregada e que era desconhecida, até então.
• E sobre esse tipo especial de solo foi construída uma ponte de 11.7 km.
• Pela altitude os carros de passageiros têm que ser pressurizados como são os aviões.
• Agora, façamos a comparação com o projeto do trem-bala Rio-São Paulo, de 400 km de extensão, o que significa 1/5 da distância percorrida pelo trem chinês.
• E observe bem que o trem chinês atravessa montanhas de até 5.000 m de altura.
• O trem-bala brasileiro atravessará a Serra das Araras, provavelmente 1/5 da altitude do Himalaia.
• Não atravessará 500 km de terreno congelado.
• Em 22 de abril de 2011, recalcularam o custo do trem-bala brasileiro, trecho Rio/SP, para algo em torno de, pasmem!, 55 bilhões de reais.
• Se considerarmos a taxa de câmbio a R$1,70, teriamos o custo em 32 bilhões de dólares americanos!
• Isso é possível? Isso é aceitável?
• Para onde irão todas essas dezenas de bilhões de dólares americanos?
• Alguém pode dizer algo a respeito do custo de um trem de alta velocidade?
• Quantas composições teria o trecho entre Rio-SP?
• Um Boeing Jumbo tem um preço de mais ou menos 350 milhões de dólares.
• Tudo isso para efeito de comparação...
• Conclui-se portanto que, como dizia o coelhinho da Alice, é tarde, é muito tarde...

Nenhum comentário: