6 de jul de 2010

A Ofensa e o Perdão

"Antes mesmo da criação do Estado de Israel, em 1948, palestinos, desalojados pela chegada de imigrantes judeus, vieram se instalar entre nós.
O fenômeno se ampliou em 1948, quando a imigração de refugiados palestinos no Líbano tornou-se massiva e foi assumida pela UNRWA, a agência das Nações Unidas encarregada de prestar assistência aos refugiados palestinos desde 1948.
De 1948 a 1967, o fluxo não diminuiu. Tratava-se, na maioria dos casos, de reagrupamentos familiares numa vasta corrente,os palestinos fazendo vir seus próximos depois de se estabelecerem no Líbano.
Um segunda onda de refugiados chega ao Líbano em 1967, depois da guerra de junho. É a partir dessa data que os campos de refugiados, até então desarmados, começaram a se armar e a se organizar no plano militar.
Um terceiro êxodo palestino iria tocar o Líbano três anos mais tarde em 1970, após os eventos do "setembro negro" jordaniano, quando as tropas beduínas do rei Hussein esmagaram as forças palestinas que ocupavam grande parte da cidade de Amã.
O novo fluxo de palestinos, naquele ano, foi numericamente menos importante que os precedentes: mas ele se revelaria mais carregado de conseqüências.
Dessa vez era todo o Estado Maior e a infra-estrutura política e militar da Resistência palestina que se transportava a Beirute, fazendo da capital libanesa a sua nova capital.
Ao termos dos três êxodos sucessivos e ainda hoje, não é possível avaliar com precisão o número total dos palestinos que atravessaram as fronteiras do Líbano para aqui se instalar; sua imigração foi mais frequentemente,clandestina. Em 1975, no início dos enfrentamentos, estimava-se em cerca de quatrocentos mil os palestinos estabelecidos em nosso solo, para uma população autóctone de três milhões de cidadãos!
Em outras palavras, os palestinos do Líbano não eram mais os refugiados de 1948. Uma geração havia passado, e os refugiados tinham se tornado resistentes. O povo palestino era dotado de suas próprias forças militares. A OLP, com a Fatah como organização principal, tinha também um verdadeiro chefe. ......No Líbano os palestinos começaram a edificar o que deveria se tornar um verdadeiro Estado dentro do Estado."
(Amin Gemayel ao terminar seu mandato
presidencial no Líbano, escreveu um livro com o mesmo título que concluiu em 28 de fevereiro de 1988. No Brasil foi publicado pela Editora Marco Zero)
"A verdadeira viagem de descobrimento não consiste em procurar novas paisagens, e sim em ter novos olhos." (Marcel Proust)

Nenhum comentário: