13 de jun de 2010

Caro, Porém Gratuito

"Esmola grande até cego desconfia". Ditado que fala da raridade em alguém receber gratuitamente algo de grande valor.

Esmola pequena, todo mundo dá. Une o útil ao agradável: alivia a consciência e não faz falta. Mas quando está envolvido um valor que pesa no bolso, a coisa muda de figura.

Interesses entram em jogo. "Posso dar, sim. Mas o que vou receber em contrapartida?"

Em princípio, ninguém dá nada de valor a ninguém. Lavoisier poderia até ser parodiado em seu famoso princípio: "Nesta vida, nada se dá, nada se recebe, tudo se negocia? As grandes doações geralmente têm em vista o abatimento no imposto de renda, a lucrativa amizade dos poderosos e outras intenções, excluindo-se, é claro, os propalados gestos humanitários.

Mas, tudo bem. Cada um faz com o seu dinheiro o que bem entender. Alguns estão acostumados a usá-lo até para comprar a "dignidade" e o respeito da sociedade. Pois é, tem muita coisa à venda por aí...

E é com essa mentalidade formada, que muitos partem para a mais ousada das empreitadas: comprar a própria salvação.

Não sabem ao certo o que essa salvação significa ou a razão da sua necessidade. Mas, isso não é problema. Infelizmente a vida é muito corrida, não há tempo suficiente para um exame mais profundo sobre o assunto, tempo é dinheiro, o importante é não vacilar e investir nessa área, garantindo logo um lugar no céu (Se é que esse lugar existe, como devem pensar uns). E pronto. Assunto resolvido, Afinal de contas, quem paga pode exigir, tem direito. Ainda mais quando o pagamento é adiantado!

Ironia? Não, meu amigo. Esta é a situação de milhões de pessoas que, talvez até inconscientemente, tratam a salvação como um mero produto de consumo. Chocante? Concordo. Mas é a realidade. E é aí onde entram as esmolas e as doações de caridade.

Certa vez eu assisti o assessor de um rico empresário chamar a sua secretária e mandá-la destinar mensalmente, por ordem do chefe, uma soma altíssima para uma entidade filantrópica, Quando a moça saiu, ele comentou comigo sobre o patrão: - "Ele faz horrores nos negócios e agora pensa que vai comprar a entrada no céu, dando dinheiro para os pobres!"

Não tenho nada contra esmolas e doações. Ao contrário. A Bíblia recomenda que se ajude os mais necessitados. Os orfanatos, casas de misericórdia e asilos são instituições de alto valor humano-social e merecem ser ajudados. O problema é o propósito que leva a pessoa a doar. Se fosse a pura e simples compaixão pelo próximo, tudo bem. Mas, na maioria das vezes, o motivo é egocêntrico. E a doação tem a finalidade de beneficiar a si próprio. Ou aliviando a consciência carregada ou dando uma sensação de conquista, por ter feito mais uma boa ação que, somada a outras, lhe dará direito a uma absolvição final.

Infeliz propósito. Jamais será alcançado. Essa idéia de ganhar a salvação através de boas obras, de merecimento próprio, é contrária à Bíblia: Basta citar o seguinte: "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie" (Ef. 2.8.-9).

Além de afirmar textualmente que a salvação não vem pelas obras, esse trecho ainda diz por quê: para que ninguém se glorie! Ninguém vai chegar no céu mostrando orgulhosamente um recibo de boas obras. O homem quer conquistar e dominar tudo. E até que tem conseguido grandes coisas.

Mas existe algo que nenhum homem na face desta terra terá o prazer: afirmar "eu comprei à minha própria salvação".

A salvação foi adquirida exclusivamente por uma Pessoa, o Senhor Jesus Cristo. E não com dinheiro vil, mas com o Seu próprio sangue, de valor infinito. Para gozar essa salvação basta ter fé, crer, aceitar para si o sacrifício de Cristo. Ora, tudo isso é de graça! Não adianta querer desembolsar nada. Todos os bens deste mundo, seja dinheiro, ouro, imóveis, títulos, ações, fazenda, gado, tudo junto, não conseguiria comprar a vida eterna de uma só pessoa.
Imagine um pai presentear o filho com uma bicicleta cara, último modelo, e assistir o menino puxando do bolso uma moeda de cinco centavos e dizer: -"Pronto, papai, aqui está o pagamento".

Patético. Por parte do garoto, uma mistura de ingratidão, ingenuidade e orgulho; por parte do pai, certamente muita tristeza.

Da próxima vez que você for dar uma pequena esmola, ou uma grande doação, apenas agradeça a Deus pela oportunidade de ser útil a alguém. Mas nunca pense que aquilo vai ajudar a pagar uma salvação que o Senhor Jesus já pagou. E que, para ser sua, basta somente você recebê-la com arrependimento, humildade e gratidão.
"É praticamente uma lei na vida que quando uma porta se fecha para nós, outra se abre. A dificuldade está em que, freqüentemente, ficamos olhando com tanto pesar para a porta fechada, que não vemos aquela que se abriu." (Andrew Carnegie_1836-1919)
A Ponte e o Trem

video

Um comentário:

ONG ALERTA disse...

Ninguém compra sentimentos de verdade, paz.
Um abraço Lisette